Bioarqueologia

Disciplina

Bioarqueologia

Código

MNA 758

Professor Responsável

Claudia Rodrigues-Carvalho, Andrea Lessa

Ementa

Esta disciplina oferecerá as bases para a análise e interpretação dos remanescentes humanos provenientes de sítios arqueológicos e coleções etnográficas de forma a permitir a interpretação daqueles achados e a resposta a algumas questões fundamentais para a arqueologia tais como quem eram, quando viveram e e principalmente como viveram. A partir aulas teóricas e práticas capacitará para a identificação osteobiográfica dos indivíduos, a caracterização de séries, e a sua correlação ao contexto cultural do qual se originaram, com base na íntima e indissociável relação entre os aspectos biológicos e culturais na espécie humana e na possibilidade de recuperar através de mínimos indícios biológicos informações sobre os grupos humanos e seu comportamento passado.

Sumário

Sessão 01: Apresentação da disciplina. Introdução a bioarqueologia. Bioarqueologia, Arqueologia e disciplinas afins: reconstruindo o passado através dos vestígios funerários.
Sessão 02: Fundamentos básicos para estudos bioarqueológicos I: noções de anatomia (ênfase em anatomia óssea) e osteologia.
Sessão 03: Fundamentos básicos para estudos bioarqueológicos II: tafonomia.
Sessão 04: Laboratório I. A rotina de um laboratório de bioarqueologia. Exercícios teóricos e práticos envolvendo a aplicação dos conteúdos anteriores.
Sessão 05: Morfologia e morfometria em bioarqueologia I: noções gerais, aplicabilidade. Estimando o sexo através do esqueleto.
Sessão 06: Morfologia e morfometria em bioarqueologia II: estimando a idade através do esqueleto.
Sessão 07: Morfologia e morfometria em bioarqueologia III:estimando a estatura através do esqueleto
Sessão 08: Marcadores de estresse ocupacional: recuperando informações sobre atividade física através do esqueleto.
Sessão 09: Introdução a Antropologia dental: potencialidade do campo. Tópicos em morfologia dental. Noções de patologias e processos orais e sua importância para a bioarqueologia.
Sessão 10: Introdução a Paleopatologia e a Paleoepidemiologia. Variação normal, pseudo-patologias e indicadores de processo patológicos. Reconstruindo perfis de saúde. Condições de vida e saúde na pré-história brasileira: um panorama.
Sessão 11: Técnicas auxiliares I: Raios-X, tomografias e a utilização de imagens em bioarqueologia.
Sessão 12: Indicadores de violência e trauma no esqueleto.
Sessão 13: Noções de paleoparasitologia
Sessão 14: Técnicas auxiliares: análises microrresíduos e microelementos
Sessão 15: Laboratório II: Exercícios teóricos e práticos envolvendo a aplicação dos conteúdos anteriores.

Bibliografia

BUIKSTRA, J.E. & UBELAKER, D.H. (Ed.), 1994. Standards for data collection from Human Skeletal Remains. Fayetteville: Arkansas Archaeological Survey. Research Series n° 44.
EGGERS, S.; FAZZIO, I. & LAHR, M.M. 1996. Antropologia Biológica do sítio arqueológico Água Vermelha: resultados e discussões preliminares. Revista de Arqeuologia, 9:89-114.
HAWKEY, D.E. & MERBS, C.F. 1995. Activity-induced musculoskeletal stress markers (MSM) and subsistence strategy among ancient Hudson Bay Eskimos. International Journal of Osteoarchaeology, 5: 324-338.
KNEIP, LM, MACHADO, LC. Os Ritos Funerários das Populações Pré-Históricas de Saquarema, RJ: Sambaquis da Beirada, Moa e Pontinha. Documento de Trabalho. Série Arqueologia. n. 1, Departamento de Antropologia. Museu Nacional. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1993.
LARSEN, C.S. 2000. Bioarchaeology: Interpreting Behavior from the Human Skeleton. Cambridge Studies in Bioalogical Anthropology, nº21. Cambridge: Cambridge University Press.
LESSA, A. 2005. Reflexões preliminares sobre a paleoepidemiologia da violência em grupos ceramistas litorâneos: (I) Sítio Paria da Tapera. SC. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 15: 199-2007.
LESSA, A.; MENDONÇA DE SOUZA, S.M.F, 2006. Broken noses for the gods: ritual battles in the Atacama Desert During the Tiwanaku period. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 101 (supl.): 133-138.
LUKACS, 1989. Dental Paleopathology: Methods for reconstructing dietary Patterns. (19/06)
MACHADO, L.M.C. 1992. Biologia de grupos indígenas pré-históricos do sudeste do Brasil. As Tradições Itaipu e Una. In: Prehistoria Sudamericana:Nuevas Perspectivas (B. J. Meggers, ed.), pp. 77-104, Washington: Taraxacun.
MAYS, S. 1999. The Archaeology of Human Bones. London/New York: Routledge.
MELLO, M.G.S. Sistematização de Critérios para Diagnóstico Diferencial entre Paleopatologias e Alterações Análogas: Fundamentos Teórico-Metodológicos. Tese. Orientador: Luiz Fernando Ferreira. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, 1999. 212p. . (Doutorado em Ciências)
MENDONÇA DE SOUZA, S.M.F. 1990. Aplicação de funções discriminantes à estimativa de sexo em ossos humanos pré-históricos. Tese: Mestre em Anatomia, Departamento de Anatomia, 295p, Rio de Janeiro:UFRJ.
MENDONÇA DE SOUZA, S.M.F. 1999. Osteologia humana, Paleopatologia e inferência arqueológica: uma reflexão sobre o valor dos dados. In: Arqueologia Y Bioantropologíia de las Tierras Bajas (J. M. López Mazz & M. Sans, org.), pp 189-204, Mondevideo: Universidad de