Cultura material, memória e identidade

Disciplina

Cultura material, memória e identidade

Código

MNA 751

Professores Responsáveis

Tania Andrade Lima e Thereza Baumann

Ementa

O curso se propõe a discutir o conceito de memória: o desenvolvimento da memória a partir do seu ‘nascimento’ na Grécia arcaica; as três grandes tradições inspiradas em (1) Cícero e Quintiliano; (2) Aristóteles, Alberto Magno, Tomás de Aquino e Averroes; (3) Ramon LLull; o entrecruzamento dessas tradições no início da Idade Moderna; Arte Combinatória e os ‘Teatros de Memória’ Bacon, Descartes, Comenius, Leibniz e Diderot; estudos de caso baseados nos textos discutidos anteriormente, relacionando cultura material, memória e identidade.

Sumário

O objetivo do curso é refletir sobre o conceito de memória como um elemento essencial à construção da identidade individual ou coletiva e cuja busca sempre orientou as atividades dos indivíduos e das sociedades. O curso, seguindo um recorte cronológico, acompanhará o desenvolvimento da memória a partir do seu ‘nascimento’ na Grécia arcaica (memória ‘divinizada, decifrada e cantada pelos aedos, “os mestres da verdade”) até o século XVII /XVIII; quando se desenvolve a noção de museu como instituição dedicada à conservação da memória. Partiremos do estudo das três grandes tradições de conceituação da memória, inspiradas respectivamente em (1) Cícero e Quintiliano (Rhetorica ad Herenium); (2) De memoria et reminiscentia de Aristóteles, Alberto Magno, Santo Tomás e Averroes e (3) a Ars Magna, de Ramon Lull. No início da Idade Moderna essas tradições se entrecruzam e encontram lugar na Arte Combinatória e nos Teatros de Memória (teatros do mundo que aspiram conter “todas” as aspirações da pansofia). Finalizaremos o curso com o estudo das proposições de ideal enciclopédico de Bacon, Descartes, Comenius e Leibniz, usando os textos para a discussão da relação entre cultura material e identidade.

Bibliografia

ABREU, R. A Fabricação do Imortal. Rio de Janeiro, Rocco. 1999.
CERTEAU, M. A invenção do Cotidiano. Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, (1990), 1994.
DETIENNE, M. Les Maitres de verité en Gréce archaique. Paris: Maspero, (1967), 1981.
CHAUÍ, M. Introdução à História da Filosofia. São Paulo: Companhia das Letras. 2002.
GOODY, J. Mémoire et apprentissage dans les sociétés avec et sans écriture: la transmission du Bagre in L´Homme, XVII, 1978.
HALBWACHS, M. Les Cadres sociaux de la mémoire. Paris: Mouton, (1925),1976.
LE GOFF, J. Mémoria in Memória-História. Enciclopédia Einaudi(coor. Ruggiero Romano), Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda,1984.
NORA, P. ´Presentation´e ´Entre Mémoire et Histoire. La problematique des lieux´ in Lieux de Mémoire. La République, v. I. Paris: Gallimard,1984.
PEARCE, S.M. (org). Museum studies in material culture. Leicester/Londres: Leicester University Press, 1990.
POMIAN, K. ´Histoire Culturelle, histoire des sémiophores´ in Pour une Histoire culturelle (coord. Jean-Pierre Rioux/Jean François Sirinelli). Paris: Seuil,1997.
ROSSI, P. Clavis Universalis. Arts de la mémoire, logique combinatoire et la langue universelle de Lulle a Leibniz. Grenoble: Jérôme Milton (1960),1993.
ROSSI, P. II passato, la memoria, l´oblio. Milão: Mulino,1991.
YATES, F. Arte de la Memoria. Madrid: Taurus,1974

Home Disciplinas Conteúdo Disciplinas Cultura material, memória e identidade