Tecnologias pré-históricas e históricas

Disciplina

Tecnologias Pré-Históricas e Históricas

Código

MNA 767

Professores Responsáveis

vários

Ementa

A disciplina tem como objetivo aprofundar diferentes temas sobre pré-história brasileira, apresentando o histórico do seu desenvolvimento, os marcos teóricos e os métodos utilizados nas abordagens anteriores e atuais à questão em tela. Será ministrado por diferentes professores, inclusive convidados, tendo como temas principais: o povoamento inicial do continente americano e do território brasileiro; caçadores-coletores; grafismos rupestres; pesquisa arqueológica em sambaqui; horticultores ceramistas, entre outros.

 

Disciplina 1 (2007/2)

Análise Cerâmica

Professor Responsável

Tania Andrade Lima e Denise Maria Cavalcante Gomes

Ementa

Este curso tem por objetivo oferecer uma introdução aos estudos de cerâmica arqueológica, propiciando aos alunos um panorama da bibliografia existente sobre as principais abordagens de análise (tecnológica, funcional, simbólica e espacial), além de elementos básicos de classificação para a realização de análises práticas em laboratório. Embora grande parte dos textos refira-se à Arqueologia Brasileira, assim como as indústrias cerâmicas que serão analisadas em laboratório, a estrutura do curso permite ao aluno a aprendizagem de princípios comuns à análise de qualquer tipo de cerâmica indígena arqueológica e etnográfica.

Sumário

O programa divide-se em duas partes. A primeira discute temas relativos ao potencial de análise da cerâmica, suas formas de classificação e as abordagens atuais de análise na Arqueologia Brasileira. Os textos são originários dos principais manuais de cerâmica existentes, juntamente com capítulos de livros, periódicos e teses recentes. Procurou-se, ainda, incluir na bibliografia alguns textos de Etnoarqueologia, além de outros que enfatizam a importância da analogia etnográfica, tendo em vista que uma das preocupações centrais do curso de Mestrado em Arqueologia é a aproximação das áreas de Antropologia e Arqueologia.
A segunda parte é dedicada à análise cerâmica em laboratório, incluindo atividades práticas e exercícios de classificação de elementos tecnológicos, decorativos e formais, juntamente com a realização de desenhos de bases e bordas, bem como dos procedimentos necessários às reconstituições de forma, cálculos de volume e confecção de banco de dados.
1a sessão: Introdução

Parte I : As abordagens de análise e discussões teóricas

2a sessão: A cerâmica e seu potencial de análise; A confecção de vasilhames cerâmicos na comunidade indígena
3a sessão: A Tecnologia Cerâmica
4a sessão: A classificação cerâmica e a noção e artefato
5a sessão: Os estudos estilísticos e iconográficos
6a sessão: A herança histórico-cultural no Brasil e as bases para sua crítica
7a sessão: Outros problemas envolvendo análise cerâmica no Brasil; Análises Funcionais a partir da analogia etnográfica
8a sessão: Outros problemas envolvendo análise cerâmica no Brasil; Análises Intra-sítio

Parte II: A análise cerâmica em laboratório

9a sessão: Atributos tecnológicos e decorativos; Reconhecimento de antiplásticos, técnicas de fabricação, acabamento e decoração
10a sessão: Análise prática e classificação cerâmica: as marcas de uso
11a sessão: Análise prática e classificação cerâmica: introdução às técnicas de reconstituição de forma
12a sessão: Análise prática e classificação cerâmica: reconstituições de forma e cálculo de volume
13a sessão: Técnicas de reconstituição em laboratório
14a sessão: Análise prática e classificação cerâmica: elaboração de ficha e banco de dados

Bibliografia

RICE, P.M. 1987. Pottery analysis: A Sourcebook, Chicago, The University of Chicago Press. (Chapter 1 – Pottery and its History) pp. 3-26. ORTON, C.; TYERS, P. & VINCE, A. 1997. Pottery in Archaeology, Cambridge, Cambridge University Press. (Chapter 1 – Pottery in Archaeology) pp. 3-21 e (Chapter 2 – The Potential of Pottery as Archaeological Evidence) pp. 23-35.
LIMA, T.A. 1986. Cerâmica Indígena Brasileira. In: Ribeiro, Berta (Coord.), Suma Etnológica Brasileira, v. 2 Tecnologia Indígena, Petrópolis, Vozes, pp. 173-229.
RICE, P.M. 1987. Pottery analysis: A Sourcebook, Chicago, The University of Chicago Press. (Pottery Manufacturing Technology: An Ethnographic Overview) pp. 113-166.
RYE, O.S. 1981. Pottery Technology, Washington, Taraxacum. (Materials and their Preparation) pp. 29-57.
SINOPOLI, C. 1991. Approaches to Archaeological Ceramics. (Defining Ceramics) pp. 9-42.
SILVA, F. 2000. As Tecnologias e seus significados, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. (A tecnologia Cerâmica entre os Asurini do Xingu) pp. 47-116.
RAYMOND, J. S. 1995, From Potsherds to Pots. In: Sthal, P. (ed.), The Lowland American Tropics, Cambridge, Cambridge University Press, pp. 224-42.
RICE, P.M. 1987. Pottery analysis: A Sourcebook, Chicago, The University of Chicago Press. (Chapter 7 – Vessel Function: Form, Technology and Use). pp. 207-242
ROBHRAHN-GONZÁLEZ, E. 1989. A ocupação Pré-Colonial do Vale do Ribeira de Iguape SP: os grupos ceramistas do Médio-Curso, Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo. (Capítulo VI – As indústrias arqueológicas) pp. 58-87.
ORTON, C.; P. Tyers & A. Vince, 1997. Pottery in Archaeology, Cambridge, Cambridge University Press. (Chapter 6 – Classification of Form and Decoration) pp. 76-86.
SHEPARD, A. [1985] Ceramics for the Archaeologist, Washington DC, Carnegie Institution of Washington, 12 th ed. pp. 224-248 (sobre procedimentos de descrição e análise de vasilhas)
RICE, P.M. 1987. Pottery analysis: A Sourcebook, Chicago, The University of Chicago Press. (Pottery Decorative Styles and Stylistic Analysis) pp. 244-273.
WASHBURN, D.K. Style, Perception and Geometry. In: Carr, Christopher & J. E. Neitzel (ed.), Style, Society and Person, New York and London, Plenum Press, 1995, pp. 101-122.
GERO, J. 2004. Sex Pots of Ancient Peru: Post-Gender Reflections. In: Oestigaard, T., N. Anfinset & T. Saetersdal, BAR International Series 1210, pp. 3-22.
GOMES, D.M.C. 2001 Santarém: Symbolism and Power in the Tropical Forest. In: McEwam, C.; Barreto, C. & Neves, E. (eds.), Unknown Amazon, London, The British Museum Press, pp. 134-155.
SCHAAN, D. 2001 . In: McEwan, C.; Barreto, C. & Neves, E. (eds.), Unknown Amazon, London, The British Museum Press, pp.
MAKOWSKI, K. 2003. La Deida Suprema en la Iconografia Mochica: Como Definirla? In: Uceda, S. & E. Mujica (Eds.), Moche: Hacia el Final del Milenio, Tomo I, Universidad Nacional de Trujillo y Pontificia Universidad Católica del Perú, pp. 343-381.
MEGGERS, B. & C. Evans 1970. Como Interpretar a Linguagem da Cerâmica: Guia para Arqueólogos, Washington DC, Smithsonian Institution. (A Técnica da Seriação: Construção de uma Seqüência seriada) pp 74-84.
LYMAN, R. L.; O´BRIEN, M. J. & DUNNEL, R.C. 1997. New York and London, Plenun Press. (Chapter 5 – Artifact Classification and Seriation) pp. 121-158; (Chapter 6 – Classification of Artifact Aggregates) pp. 159-205; (Chapter 7 – Culture History, Cultural Anthropology and Cultural Evolution) pp. 207-225.
DEBOER, W. & LATHRAP, D. 1979, The Making and Breaking of Shipibo-Conibo Ceramics. In: Kramer, Carol (ed.), Ethnoarchaeology: Implications of Ethnography for Archaeology, New York, Columbia University Press, pp. 102-138.
DEBOER, W.K., KINTIGH , K. & ROSTOKER, AG. 1996. Ceramic Seriation and Site Reoccupation in Lowland South America. Latin American Antiquity 7: 263-278.
LA SALVIA F. & BROCHADO, J.P. 1989. Cerâmica Guarani, Porto Alegre, Posenato, Arte & Cultura.
GOMES, D.M.C.G. 2005. Padrões de Organização Comunitária no Baixo Tapajós: o desenvolvimento do Formativo na área de Santarém, PA., Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. (Capítulo 4 – Padrões de Uso da Cultura Material) pp. 151-264.
SCHAAN, D. 2004. The Camutins Chiefdom: Rise and Development of Social Complexity, Ph. D Thesis, University of Pittsburg. (Chapter 6 – Production and Use of Ceramic Artifacts) pp. 265-349.
VIANA, S. 1996. Análise Espacial Intra-Sítio: O Estudo do Sítio Lourenço (GO-CA-14), Revista de Arqueologia, 9: 65-87.
WÜST, I. 1983. Aspectos da Ocupação Pré-Colonial em uma área do Mato Grosso de Goiás: Tentativa de Análise Espacial, Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo. (Capítulo 7 – Tentativas de Interpretação: Os significados espaciais dos sítios) pp. 220-261.
WÜST, I. & CARVALHO, H. B. 1996. Novas Perspectivas para o Estudo dos Ceramistas Pré-Coloniais do Centro-Oeste Brasileiro: A Análise Espacial do Sítio Guará I (Go-NI-100), Goiás, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 6: 47-81.
SIEGEL, P. & P G. ROE 1986. Shipibo archaeo-ethnography: site formation processes and archaeological interpretation, Word Archaeology, 18 (1): 97-113.
WILSON, C. D. 1994. Identification and Assessment of Secondary Refuse Aggregates, Journal of Archaeological Method and Theory, 1(1): 41-68.
MAROIS, R., M. C. Scatamacchia & E. Durán Serrano, 1994. Essay on Decoration Composition, Mexico, DF, Pan American Institute of Geography and History.
GOMES, D.M.C. 2002. Cerâmica Arqueológica da Amazônia: Vasilhas da Coleção Tapajônica MAE-USP, São Paulo, Edusp, Fapesp, Imprensa Oficial. (Capítulo 3 – A metodologia de Análise e o Perfil da Coleção Tapajônica MAE-USP) pp. 71-106.
CHMYZ, I. (ed.) 1976. Terminologia Arqueológica Brasileira para Cerâmica. In: Cadernos de Arqueologia, ano 1, n° 1, Paranaguá, UFPR.
HALLY, D.J. 1983. Use Alteration of pottery vessel surfaces: an important source of evidence for the identification of vessel function. North American Archaeologist 4(1):3-26.
SKIBO, J.M. 1987. The effects of water on processes of ceramic abrasion. Journal of Archaeological Science 14:83-96.
SKIBO, J.M. 1992. Pottery Function: a use-alteration perspective, New York & London, Plenum Press.
SKIBO, J. M., M.B. SCHIFFERS & K.C. REID, 1989. Organic-Tempered Pottery: An Experimental Study, American Antiquity, 54 (1): 122-146.

Home Disciplinas Conteúdo Disciplinas Tecnologias pré-históricas e históricas